Mensagem pregada dia, 24 de 02 de 2008
O chamado de todos - Êxodo 4.1-17
Introdução
O texto de Êxodo capítulo 4 trata da chamada de Moisés para libertar o povo de Israel.
O contexto da história já é conhecido: De modo miraculoso, Deus poupou a vida de Moisés quando criança; providenciou para que ele permanecesse com sua mãe, Joquebede; ao mesmo tempo proporcionou acesso a uma educação especial no Egito. Tratou com ele durante os anos do deserto, em especial na experiência da sarça ardente, preparando-o para uma missão, um serviço especial.
Deus tem um propósito na vida de cada um de nós. Muitas pessoas acham que o propósito de Deus é apenas para abençoá-los, e assim eles não conseguem olhar adiante, para fora de si mesmos.

O Pr. Rick Warren, no seu livro “Uma Vida com Propósitos”, escreve o seguinte: “Não é sobre você. O propósito de sua vida é muito, mas muito maior do que a sua realização pessoal, sua paz de mente, ou até mesmo a sua felicidade. É muito, mas muito maior do que a sua família, sua carreira, ou mesmo os seus sonhos melhores e mais ambiciosos. Se você quer saber por que você foi colocado neste planeta, você tem que começar em Deus. Você foi criado para um propósito, para o propósito de Deus.”

A experiência de Moisés nos inspira a pensar sobre o propósito de Deus para a vida de cada um de nós. Não fomos criados para correr atrás do vento, para nos importarmos apenas com coisas que acabarão por aqui mesmo, fomos criados para nos unir a Deus em uma missão... E ele nos chama para arregaçar as mangas e nos juntarmos a Ele com nossos talentos, nosso dinheiro, nosso tempo e nossa paixão. Como seria encostar a cabeça no travesseiro à noite e dizer: Sabe o que fiz hoje? “Trabalhei em equipe com Deus para mudar o mundo”.
Deus não te colocou neste mundo, para ser expectador.
O que você deve fazer, então, para cumprir o seu chamado e realizar a sua missão?

I – Veja o que você tem nas mãos (v. 2)
Comece com o que você tem. Deus pode usar qualquer coisa que você tenha na sua mão. Não diga que estão vazias. O apóstolo Pedro afirma que todos nós temos ao menos um dom (1Pedro 4.10).
Deus não chama pessoas desocupadas. A vara nas mãos de Moisés representava o trabalho dele como pastor de ovelhas. Há pessoas que dizem que não têm tempo para Deus, estão muito ocupadas. Além de se esconderem atrás de uma desculpa ingênua, podem estar chamando os demais de desocupados. Já pensaram sobre isto?

II – Jogue no chão o que você tem nas mãos (v. 3)
A idéia de jogar no chão sugere abrir mão, de disponibilizar-se de modo que Deus possa te usar. Foi isto que aconteceu no episódio da multiplicação, quando aquele menino colocou à disposição de Jesus os seus pães e peixes, uma imensa multidão foi alimentada. Aquele garoto levara o lanche para ele mesmo, mas, ao dividir, abençoou a muitos.

III – Não dê desculpas (v. 10)
O problema de Moisés é que o foco da sua atenção era ele mesmo – suas limitações, seus problemas, e traumas, não conseguia ver os outros. Há muita gente como Moisés: focada em si mesma, em seus próprios problemas.
Cristo é a pessoa que conheço que mais se voltou para os outros. Não consigo me imaginar tentando andar com ele, afirmando que ele é o eu senhor, sem servir aos outros. Quanto mais sirvo, mais meu coração muda.
Confiemos nele. Ele vai manifestar o Seu poder em meio a nossa fraqueza, e limitação. Não dê desculpas.

IV – Obedeça, pois a missão é sua (vs. 12 e 13)
Vejam Arão. Ele tem um chamado próprio, mas por causa da dificuldade de Moisés, precisa ser deslocado momentaneamente do que está fazendo e acaba ficando sobrecarregado. Duas pessoas tendo que fazer a mesma coisa: Arão precisando fazer a parte de Moisés, porque Moisés não queria fazer a sua parte, cumprir o seu chamado.
Vemos, portanto, que a missão é individual e específica.

Conclusão
Encontramos uma expressão maravilhosa na parte final do versículo 20. “Levava na mão a vara de Deus”.
Aqui está o coração deste capítulo, é quando compreendemos que aquilo que temos em nossa mão, que simboliza o nosso chamado, na verdade não é nosso, mas de Deus. A vara, que inicialmente era de Moisés, ao longo de todo o processo de convencimento e paciência de Deus finalmente transforma-se na vara de Deus.
Assim são as pessoas que resolveram colocar nas mãos de Deus tudo o que são e têm. Assim foi com Lucas, o médico, o “bisturi de Deus”; com Paulo, o missionário, a “pena de Deus”, com a qual escreveu tantas cartas inspiradas pelo Espírito Santo.
Assim também é hoje com aqueles que colocam seus instrumentos de trabalho nas mãos de Deus – o pedreiro que coloca a sua pá nas mãos de Deus e ela se torna a “pá de Deus”; o atleta que coloca as suas pernas nas mãos de Deus e elas se tornam “as pernas de Deus”; o empresário que coloca seu dinheiro nas mãos de Deus e ele se torna o “dinheiro de Deus”. A costureira, “a máquina a agulha de Deus”, o professor o “Giz de Deus”, o caminhoneiro o “volante de Deus”. O fazendeiro, a “fazenda de Deus”. O músico o “Instrumento De Deus”.
E no teu caso: o que é teu que precisa ser de Deus? O que você tem nas mãos?

Por: Pr. Milquizedeque

 
Primeira Igreja Batista de Ponta Porã-Ms